Janeiro Branco - Saúde Mental: Síndrome do Pânico no Cotidiano do Policial

Atualizado: Jan 28

“São duas horas da manhã, desperto com uma forte dor no peito, meu braço trava, falta-me o ar, coração acelerado, calafrios...Tive a sensação de estar enfartando. Ao chegar no hospital, uma bateria de exames é realizada e sou informado de que biologicamente não tenho nada”.

.

Esse tipo de relato parece familiar para você?

.

Segundo a Psicóloga e parceira conveniada do SINPOL-SC, Cirlene Silva, no cotidiano do Policial, as situações estressantes e de grande preocupação, geradas pelo permanente estado de alerta e a pressão do ambiente, podem levar ao desenvolvimento da Síndrome do Pânico.

.

Os principais sintomas podem surgir abruptamente e atingirem um pico em poucos minutos, sendo:

.

1. Palpitações/taquicardia/ritmo acelerado sudorese;

2. Tremores ou abalos;

3. Sensação de falta de ar ou sufocação ou asfixia;

4. Dor, náuseas ou desconforto torácico ou abdominal;

5. Tontura/instabilidade/vertigem ou des­maio;

6. Calafrios ou calorões;

7. Dormências/formigamentos;

8. Medo de perder o controle/enlouque­cer ou de morrer.

.

Segundo dados do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, 10% da população pode sofrer crises sem motivo aparente, denominadas crises de pânico.

.

Os tratamentos da Síndrome do Pânico incluem a prescrição de medicamentos e/ou psicoterapia, entre outras formas.

.

Por isso, caso você, Policial Civil, se identifique com o relato e sintomas acima, busque ajuda de um profissional!

.

Tenha um novo olhar sobre si!